Imagem: Pixabay

Aplicativos lucram com coronavírus pondo entregadores em risco de contágio

Por Bruna de Lara, Nathália Braga, Paulo Victor Ribeiro | The Intercept

FICAR EM CASA. Essa é uma das principais recomendações para a contenção da pandemia do novo coronavírus, que já tem 1.620 casos confirmados e matou 25 pessoas no Brasil, segundo dados da manhã desta segunda-feira. Governadores e prefeitos começaram a agir para reforçá-la. Fecharam escolasuniversidadesshoppingscasas noturnasacademiaspontos turísticospraiascomérciolimites municipais e divisas estaduais – decisão anulada por regras decretadas em seguida por Jair Bolsonaro. Mas, nas ruas esvaziadas das próximas semanas, duas figuras não irão desaparecer: as de trabalhadores circulando em motos ou bicicletas munidos de mochilas com as palavras Rappi, iFood, Loggi ou Uber Eats.

Quando sair de casa significa colocar a saúde em perigo, a comodidade oferecida pelos aplicativos de entrega se torna ainda mais sedutora. Na outra ponta, porém, há pessoas expostas aos riscos que os usuários buscam evitar usando os apps. E as marcas que elas carregam nas costas não estão tomando medidas eficazes para protegê-las do contágio.

Intercept entrou em contato com as quatro empresas para saber que políticas foram criadas para evitar que seus entregadores contraiam a covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Ainda que todas aleguem estar trabalhando em diversas providências para protegê-los, a única medida em comum não é específica para a situação singular dos entregadores. Trata-se do mero compartilhamento de informações de prevenção divulgadas pelo Ministério da Saúde à população (como lavar as mãos com frequência, cobrir o rosto ao tossir ou espirrar, fazer uso de álcool gel e higienizar veículos).

Confira a reportagem completa

Fonte: The Intercept
Data original de publicação: 23/03/2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »